96. Lispectoração (Para Clarice)

Na vidraça do mundo,
a luz, de fora, era tão intensa
que não havia nenhum reflexo
meu, precisei inventá-lo.
Desenhei com um caco
do chão que não existia.
Eu ali,
lispectorando,
este nome em ato, desagradável.
Tive de inventar uma palavra,
não por acaso, inventei duas ou três,
todas filhas legítimas,
tenho de me remeter
ao ato, com eu sentado
a máquina no colo,
o vento tilintando,
como se pudesse
de algum modo
entender,
o som do bater de asas onomapéicas
das pequenas borboletas amarelas,
que dominaram a cidade,
que dominaram minha escrita,
mais que as palavras,
eram como o ar que
como que num repente
transludecido
que escorria pelos vales,
ao olhar de uma ponta à outra
iam se desenhando
pela dimensão transparente
aos meus olhos,
eram mais que as folhas,
que esperaram o outono,
que chovia das núvens-copas,
das árvores minhas semelhantes, em tudo.
Quem foi que disse que
não há esta estação
nesta cidade quase
equatorial?
Sei que sim.
Sei que ela falava de Macabéa.
Então sentei na borda do mundo
e deixei este escarro catedrático
no canto,
bem no lugar onde
as paredes se reproduziam
num sexo estático e imperfeito,
mas o fiz, porque sei que
é deste local onde mais brota
a ausência de constrangimento
entre as idades.

4 comentários:

Felipe Lobo dos Santos 7 de abril de 2009 08:10  

De:
é deste local onde mais brotam
as idades.
Para:
é deste local onde mais brota
a ausência de constrangimento
entre as idades.

Felipe Lobo dos Santos 7 de abril de 2009 08:21  

De:
não por acaso, tenho de me remeter
Para:
não por acaso, inventei duas ou três,
tenho de me remeter

Felipe Lobo dos Santos 20 de abril de 2009 15:17  

Acrescentei: este nome em ato, desagradável e todas filhas legítimas, Depois de começar a assistir a última entrevista de Clarice.

Felipe Lobo dos Santos 20 de abril de 2009 15:54  

Acrescentei: Sei que ela falava de Macabéa.

Postar um comentário

A Lógica é a genética da preguiça de criar, e a criação precisa de intensidade sendo o exercício do impossível imediato, mas, às vezes, porque não sermos um pouco indolentes?

Não 'creio' na Lógica por causa dos Ateus. Os mais consistentes propagadores das leis de Deus.

Mesmo não sendo parnasiano...

“Fuja da abundância estéril desses autores, e não se sobrecarregue com um pormenor inútil. Tudo que dizemos a mais é insípido e degradável; o espírito saciado repele instantaneamente o excesso. Quem não sabe moderar-se jamais soube escrever.”

Nicolas Boileau-Despréaux
Creative Commons License

A Pro
posta...

...deste blog é difundir o ideal da poesia compartilhada e não apropriada por aqueles que, pretensamente, se consideram autor@s. Assim, todo o conteúdo publicado neste, pode ser utilizado e modificado por qualquer um(a) que se sentir encorajad@. A única coisa não permitida é intitular-se autor. Por isso estou recorrendo à Creative Commons (veja em) para garantir este direito a tod@s!

O Conteúdo...

...deste blog serão os poemas produzidos na Residência Universitária 5 e alguns, poucos, outros reciclados durante este tempo. Esta coleção (provavelmente são algumas em gestação) não tem nome.

Modifiquem! Publiquem!

Seguidores