90. A pele do labirinto

O que representa o minotauro senão
a avareza de vida
da velhice prenhe de inveja
do terror da tradição à
beleza da juventude,
não do jovem.
Não será isso que a psicanálise
põe nas nossas cabeças,
chifres?

O buraco é mais embaixo
que o buraco da psicanálise,
que nasceu com o cu no pé.
E no mais
só sabe por cu no próprio cu.

Sem chifres,
sem cascos,
sou um corpo livre de personagens
com eles,
e sempre por eles,
sou um minotauro
com pathos, sou sem meios termos
descendente da avareza
um corpo mutilado pela inveja,
dos nossos descendentes, caquéticos
são rugas que,
por necessitarem de uma essência
chamam de almas.

Somos mais que
a simples fragrância
lançada, por descuido, num poço,
somos o labirinto sem paredes de nossa pele.
Não sendo desérticos,
somos na pele do labirinto,
a regurgitação do minotauro,
porque se somos mais,
somos totalmente indigestos a estes,
que nos querem devorados,
que foram nossos aliados,
que pisam em nossos brios,
e nos dizem que são nossos verdadeiros eus.

Sendo mais de muitos eus,
não posso ser chamadado de um,
nem de nenhum para qualquer eu.
Se sou da cabeça de Teseu,
serei sua vasta cabeleira,
que esconde os chifres
que de todos os Teseus
também serão minotauros.

Se for transbordante,
se for espontâneo,
serei a multidão de piolhos
que infesta a cabeleira do herói
romântico,

ou, mesmo
o que combate
a vaga que
leva as almas
e deixa os corpos
Num Cemitério dos Vivos.

Serei eu,
na jogatina das estrelas,
como o mesmo velho lôbo,
para todos,
os mesmos santos.

Serei, num passado distante,
a impossibilidade esfíngica
de um herói ecológico.

E é lógico, não serei,
se poético,
tão preso aos maneirismos,
como antes.

7 comentários:

Felipe Lobo dos Santos 29 de março de 2009 14:25  
Este comentário foi removido pelo autor.
Felipe Lobo dos Santos 29 de março de 2009 14:26  

Colocarei uma versão ampliada e revisada às 14:28.

Felipe Lobo dos Santos 29 de março de 2009 15:19  

Em serei a multidão de piolhos, troquei o enxame por a multidão.

Felipe Lobo dos Santos 31 de março de 2009 07:28  

Modifiquei e deixa os corpos vivos para e deixa os corpos e acrescentei Num Cemitério dos Vivos. (Que é uma obra de Lima Barreto)

Felipe Lobo dos Santos 31 de março de 2009 07:32  

troquei:


ou, mesmo a vaga que

por

ou, mesmo
o que combate
a vaga que

porque a vaga é a onda normalizante que detêm os corpos nos manicômios.

Felipe Lobo dos Santos 31 de março de 2009 23:15  

Para sou um corpo livre acrescentei de personagens. Acrescentei com eles, e sempre por eles,

Felipe Lobo dos Santos 15 de abril de 2009 21:30  

Mudei o título de Na pele... para A pele...

Postar um comentário

A Lógica é a genética da preguiça de criar, e a criação precisa de intensidade sendo o exercício do impossível imediato, mas, às vezes, porque não sermos um pouco indolentes?

Não 'creio' na Lógica por causa dos Ateus. Os mais consistentes propagadores das leis de Deus.

Mesmo não sendo parnasiano...

“Fuja da abundância estéril desses autores, e não se sobrecarregue com um pormenor inútil. Tudo que dizemos a mais é insípido e degradável; o espírito saciado repele instantaneamente o excesso. Quem não sabe moderar-se jamais soube escrever.”

Nicolas Boileau-Despréaux
Creative Commons License

A Pro
posta...

...deste blog é difundir o ideal da poesia compartilhada e não apropriada por aqueles que, pretensamente, se consideram autor@s. Assim, todo o conteúdo publicado neste, pode ser utilizado e modificado por qualquer um(a) que se sentir encorajad@. A única coisa não permitida é intitular-se autor. Por isso estou recorrendo à Creative Commons (veja em) para garantir este direito a tod@s!

O Conteúdo...

...deste blog serão os poemas produzidos na Residência Universitária 5 e alguns, poucos, outros reciclados durante este tempo. Esta coleção (provavelmente são algumas em gestação) não tem nome.

Modifiquem! Publiquem!

Seguidores